Friday, June 16, 2006

ABOUT ME E TORQUATO


ABOUT ME E TORQUATO NETO










Abri uma cerveja e mais outra e eu queria mais e me flagrei de uma coisa que o Torquato Neto disse: o alcool é pra mim o que é a coca e o piau pra alguns...e eu sou radical em relaçao à coca , mas é a mesma coisa: a birita vai me levar pro hospício. Minhas idéias estão embaralhadas, esqueço de tudo, ando com papel e caneta no bolso e escrevo tudo, dois minutos depois não lembro mais....Na sexta passada me deu um branco e fiquei quase uma hora a deriva, tipo bad trip de ácido...com as lembranças feito estilhaços ma minha cabeça... Sei, como disse Nietzche, “Nós, os novos, os sem nome, os difíceis de serem entendidos, os filhos prematuros de um futuro ainda não demonstrado, temos a necessidade, para um novo objetivo, de um novo meio, quer dizer, de uma nova saúde, uma saúde mais forte mais afinada mais tenaz mais ousada mais divertida do que todas as saúdes conseguiram ser ate agora...”. Sei que citar Nietzche é um pouco de ousadia, mas é assim que me sinto em relação ao álcool, é meu aliado nesse sentido...e Nietzche fala em saúde uma saúde mais forte e tudo, sem uma vírgula, de uma vez.... Fui pra análise, passei anos lá e resolvi algumas questões, mudei minha relação com o álcool, mas largar ele mesmo, jamais. Sou um observador do tempo, não fico de bobeira e sei que é extramamente prazeiroso estar aqui e agora e presto atenção e medito e faço a respiração certa, mas o álcool não largo. Aí me deparo com um texto do Torquato dizendo: eu não percebia que o álcool é a mesma coisa do vício do pico e pode me levar pro hospício... Eu sempre tentei levar uma vida outsider e criei meus filhos assim e fugi da escola e do serviço militar obrigatorio, quase rasguei minha identidade, quase fugi do país num trem fantasma via Bolívia, quase fui pai aos 17 e nessa epoca o álcool não era tão importante pra mim e eu também adorava ácido lisérgico e cogumelos, mas essas drogas não provocam dependência como o álcool e anfetaminas. Eu tenho medo de ir parar no hospício e é por isso que estou aqui escrevendo isso pros amigos, assim como um testemunho, deixando bem claro que de qualquer maneira não sinto a menor vontade de largar o álcool por mais medo que eu tenha de ir pro hospício como Torquato. “Se quiser samba, faça. Se quiser culpa, curta. Mas assim: abaixo a psiquiatria” . Mais uma vez, Torquato. Asfixia: é assim que me sinto quando ligo o rádio, eu não consigo mais ouvir rádio ou Tv; isso, eu ouço Tv, não vejo. Tudo o que escuto não toca mais em lugar nenhum e o que eu pensava ano passado se tornou velho , o que eu ouvia em janeiro não ouço mais, não consigo ouvir Mpb de jeito nenhum, eu que gostava tanto, é só Paulinho da Viola e uma frase apocalíptica dele: eu não vivo do passado, o passado é que vive em mim.... Eu usava pseudônimo pra escrever meus textos e soube que no século passado os artistas chegavam a ter 40 alter-egos, Fernando Pessoa foi um desses, eu usava FlyBlue e Mazarem, até por que eu falava sobre drogas (sem apologia, acho que todos tem o dever e direito de experimentar tudo) e eu me escondia, até que um dia eu disse, basta, e assumo tudo: tudo que eu escrevo, escrevo pra mim mesmo, sou meu próprio objeto de desejo.. Eu dispunha respostas pras todas questões, agora perdi todas as certezas e não me preocupo mais com isso, renasço todo dia com uma duvida e uma certeza a menos: todo dia é dia D... Fico com o frescor da duvida, a certeza da certeza faz o louco gritar e eu não grito mais, apenas abro mais uma cerveja e penso na morte como aliada, é assim mesmo, a morte é meu aliado pois é ela que me impulsiona, me joga no mundo, é com o medo que eu procuro me situar nesse tempo fantástico e deslumbrante que vivo, garimpando sonhos acordado. E o álcool apesar de todo esse medo que tenho de ir pro hospício como Torquato e Sergio Sampaio e Rimbaud é também um aliado....Será meu aliado enquanto eu estiver no comando das minhas ações, eu é que uso o álcool não ele me usa, como bem disse Bukowski....ah, sim, ele...Acho que nenhum garoto de 16 anos devia ler Bukowski, ele me incentivou muito meu vício, mas eu tinha 26 anos quando li "Mulheres" e estava saindo do segundo casamento e era o ano do primeiro Rock In Rio, nunca vou esquecer o prazer anti-cívico que tinha de jogar as latas pela janela do ônibus, ele falava demais nisso nos seus textos e aqui só saiu a primeira cerveja one-way em 85, no ano da graça do primeiro Rock In Rio! Tenho vontade de mandar isso pro meu pai e pro meu irmão Paztor e pro Leozinho - por que tudo foi escrito ao som altíssimo do Radiohead .( mas tenho medo deles acharem que estou enlouquecendo).
Paz, dê uma chance!Como Cole Porter e Torquato Neto devo abrir o gás, tomar champagne ou cianureto?

1 comment:

Barretoivoski said...

Byra, acho que há mais de ano não conversamos! Não sei se vc se lembra de mim, comprei A Vida é Doce de vc no ano passado... conversávamos no msn.

Por acaso entro no seu blog e há um texto desse surpreendente. Não por ser confecional, mas por ser lindamente conceituado! Dos melhores posts de blog que eu já li, não fala só do umbigo, mas vai o suficiente ao que é a raiz do humano.

Abraçao!

diego barreto ivo
www.perambulagens.org

OUÇA A PALAVRA ELÉTRICA VOL.1